Setores de Atuação

Incorporação

Atuamos em todas as etapas do processo de incorporação imobiliária. Nossas atividades incluem avaliação de oportunidades de negócios, aquisição de terrenos, desenvolvimento do projeto, execução das obras, obtenção de licenças, alvarás e aprovações governamentais, bem como marketing, vendas e administração. Temos como objetivo criar empreendimentos que unem tradição e modernidade, de forma única e inovadora.

A maioria dos nossos projetos desse segmento foram desenvolvidos em São Paulo e em suas proximidades. Atualmente, esse negócio está focado em: (i) venda de (i.a) estoque existente da Fazenda Boa Vista, destinado à alta renda no interior do estado de São Paulo que contempla infraestrutura completa de esportes, lazer e serviços, incluindo um hotel, cujo luxo é incomparável no Brasil, de acordo com matéria do jornal O Globo; e (i.b) unidades do lançamento do Fasano Cidade Jardim, empreendimento residencial conectado ao Shopping Cidade Jardim; e (ii) lançamento dos projetos (ii.a) Boa Vista Village, complexo residencial, comercial e de lazer adjacente à Fazenda Boa Vista. Assim, nosso pipeline para esse setor é ancorado em empreendimentos de luxo já consolidados no cenário nacional.

Renda Recorrente

Somos desenvolvedores e operadores de shopping centers desde 1999 e focamos nossos projetos em nichos. Essa unidade geradora de resultados compreende (i) a unidade de negócios Shoppings: que consolida as operações de shopping centers, serviços para shoppings (administração, estacionamentos e fornecimento de energia e telecomunicações); (ii) Cidade Jardim Fashion (e-commerce); e (iii) o Varejo: operação de marcas internacionais de alto luxo.

O crescimento da Renda Recorrente é baseado em expansões de ABL em projetos consolidados, CFO e SCJ, a serem desenvolvidos em áreas que já fazem parte do land bank da Companhia, com CAPEX incremental reduzido e baixo risco de execução por já estarem ancorados em empreendimentos maduros. Além disso, contamos com o lançamento de novo modelo de centro comercial, Cidade Jardim Shops, no bairro Jardins, São Paulo, com cerca de 6.500 m² de ABL total. Adicionalmente, a Companhia trabalha em um novo projeto na Avenida Faria Lima, no bairro do Itaim em São Paulo, com cerca de 15.500 m² de ABL.

Hotéis e Restaurantes

Operação de hotéis e restaurantes administrados sob a bandeira “Fasano”. São 7 hotéis em operação (São Paulo, Rio de Janeiro, Fazenda Boa Vista, Punta del Este, Angra dos Reis, Belo Horizonte e Salvador), além de 27 restaurantes e bares em 7 cidades (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Angra dos Reis, Punta del Este, Belo Horizonte e Salvador).
O potencial de crescimento dessa divisão, no curto prazo, virá de 3 novos hotéis no Brasil (Trancoso e São Paulo, Itaim e Cidade Jardim), onde também desenvolveremos atividades de novos restaurantes. No médio e longo prazo, temos intenção de crescer nossas operações nos Estados Unidos e na Europa.

Recentemente, expandimos nossas operações para os Estados Unidos. Lançamos em Nova Iorque o Fasano Fifth Avenue, empreendimento inédito com apartamentos privados Private Residences e Club Residences (multi-propriedade), e o Restaurante Fasano New York na Park Avenue. O início das atividades está previsto para 2020, sujeita a obtenção de licenças costumeiras para esse tipo de operação.

Aeroporto Executivo

O São Paulo Catarina Aeroporto Executivo que inaugurou sua primeira fase em 16 de dezembro de 2019, é o primeiro aeroporto executivo do Brasil, pensado há cerca de 10 anos, quando foi identificada uma oportunidade para contribuir para a melhoria da infraestrutura e serviços da aviação executiva. Com estrutura e atendimento diferenciados da atual oferta no Brasil, o São Paulo Catarina Aeroporto Executivo conta com pista de 2.470 metros de extensão, 6.000 m² de hangar e 21.600 m² de pátios. A Companhia trabalha nesse momento na internacionalização do São Paulo Catarina Aeroporto Executivo, de forma a tornar o portão de entrada de passageiros e investimentos no Brasil.

O modelo de negócios que adotamos é similar a soluções implantadas em cidades como Nova Iorque, Londres e Paris, que, após desenvolverem aeroportos dedicados exclusivamente a aviação de negócios, contornaram o gargalo de capacidade dos aeroportos comerciais, mesma dificuldade verificada nos dois principais aeroportos da região Metropolitana de São Paulo.